quarta-feira, 22 de agosto de 2018

[Livro] - A Ilustre Casa de Ramires - Eça de Queirós


Photography by @agarotaraivosa on Instagram



Acredita-se que A Ilustre Casa de Ramires, do autor português Eça de Queirós (1845- 1900) foi criada com a intenção de criar um contraste com o presente e o passado de Portugal. O romance realista foi publicado em 1900, e é considerado por muitos como representante do apogeu e amadurecimento literário do autor. 

A história, narrada em terceira pessoa por um narrador onisciente, ocorre em dois períodos de tempo distintos, o primeiro está situado no século XIX, em Portugal, retratando um país cheio de modernidades, e no segundo podemos prestigiar a chamada novela histórica "Torre de Ramires", que ocorre no mesmo local mas desta vez, no século XII, e tenta mostrar uma Idade Média com um povo heróico com valores superiores. 

 A história principal narra a vida do fidalgo Gonçalo Mendes Ramires morador da pequena Vila Clara, sua aspiração política e seu cotidiano, o qual quando é convidado por um amigo para publicar um romance nos "Annaes da Literatura", vê sua chance de ter seu nome reconhecido publicamente e desta forma finalmente realizar seus objetivos políticos. Assim, o protagonista de A Ilustre Casa de Ramires torna-se também um autor de novela, neste momento o leitor é introduzido em uma segunda linha do tempo, em uma novela histórica que se passaria no Século XIII e teria como personagem principal, um ancestral de Gonçalo, Tructesindo Ramires, um fiel cavalheiro do rei D. Sancho I  que se vê em meio a briga entre o rei D. Afonso II e as suas irmãs, depois da morte do Rei, em 1211.

Infelizmente a narrativa de Gonçalo tratava-se apenas um plágio mal adaptado de um poema escrito por um tio do personagem, publicado em um pequeno jornal alguns anos atrás. Durante a leitura é possível perceber que, assim como sua escrita, a moral e os valores do protagonista não são dos melhores, entretanto, se pode ver em suas reflexões uma esperança de mudança. 

O que gostamos? 
A alternação entre as duas histórias fazem de "Ilustre Casa" um romance sobre a arte de escrever. O autor sugere diversas vezes o trabalho pesado que é a produção escrita antagonizando diretamento com o conceito romântico sobre a criação literária, antes considerada transcendental e naturalmente fluída. 

Gosta de história? 
A obra foi escrita e publicada em meio a instabilidade política da monarquia e sob a humilhação do ultimato inglês, o autor sugere através da obra que o retorno ao colonialismo e à aristocracia seria a solução para Portugal. 

A obra está intimamente ligada à história de Portugal durante o período do Ultimato Britânico de 1890, quando o governo português recebeu um telegrama de autoridades inglesas exigindo a retirada imediata das forças militares portuguesas mobilizadas nos territórios entre Angola e Moçambique e caso a exigência não fosse acatada por Portugal, a Inglaterra avançaria com uma intervenção militar. 

 A notícia do acatamento do ultimato por parte das autoridades portuguesas provocaram a indignação popular, sentimento este que foi explorado pelos republicanos; prova disso é a tentativa de derrubada da monarquia e instauração da república durante a revolta 1891. A ilustre Casa de Ramires reflete exatamente o desgosto português pelo acatamento deste ultimato. 


Uma dica? Leia sobre o mapa cor de rosa português e entenda melhor esse período político.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Opa! Seu comentário é bem vindo (comentários contendo pornografia, palavrões, ofensas raciais, misóginas e homofóbicas serão deletados)